Um Ponto De Fuga

quinta-feira, junho 30, 2005

Extreme

Image hosted by Photobucket.com

quarta-feira, junho 29, 2005

Vagabundo com laivos de civilidade!

Gosto de passear pela multidão, como um vagabundo com laivos de civilidade, principalmente no faustoso palco entre a Guerra Junqueira e a Praça de Londres, o ar neglige, que ostento com pompa e orgulho dá-me a singularidade perfeita.

terça-feira, junho 28, 2005

Intern Life

Image hosted by Photobucket.com

António Gaudi


With undulating, dream-like buildings, Spanish architect Antoni Gaudí pushed at the boundaries of reality. He was born on June 25, 1852, and died in 1926 after being run over by a tram. Because he was poorly dressed, Gaudí was not recognized. Taxi drivers refused to take the "vagabond" to the hospital.
Atropelaram um "vagabundo" que por acaso era António Gaudi, depois recusaram levar o dispensável vagabundo ao Hospital, a morte mais ridícula de um dos primeiros Modernistas Na Arquitetura.

Dizer!

Às mulheres belas, só tenho uma coisa a dizer:

Isso não basta!

P.S.

Não é endereçado a ninguém em particular.

segunda-feira, junho 27, 2005

Silhueta

Image hosted by Photobucket.com

A silhueta, têm como função, cozer a cumeada do edifício ao céu, um exemplo da época medieval são as catedrais góticas. Hoje em dia, este entrelaçado volumétrico, que intercala o edifício e o céu, perdeu-se, devido a aderência em massa aos grandes blocos habitacionais com cobertura em terraço. Reconhecendo que está linha representa uma rutura demasiado brutal, sugere-se como medida oposta, os rendilhados, as filigranas e os coroamentos para pontuar as cumeadas dos edifícios, capturando novamente o céu, ligando-o a terra.
Este efeito de interpenetração, irá resultar particularmente bem num país de nevoeiros como a Inglaterra.

Conteúdo Teórico de Gordon Cullen; Paisagem Urbana

Hierarquia Relativa

Acima de um Desenhador, mas a passos largos de um Engenheiro, eis o Arquitecto Português.

domingo, junho 26, 2005

Follow the Lines

Image hosted by Photobucket.com

Todo o Génio é um Degenerado

Sendo certo que todo o génio é um degenerado (nem superior, nem inferior, porque há só degenerados de uma espécie, mau grado a absurda escapatória dos psiquiatras modern style), certíssimo é, sem dúvida, que entre os génios, os da inteligência assumem um relevo máximo de degeneração. Um chefe político, um grande general, são, no que génios, degenerados, porque são desvios do tipo normal e originais na sua acção e na sua individualidade. Mas são normais porque são homens de acção, porque vivem no meio da vida, e não se pode fazer isso sem uma certa adaptação a ela. O mais revolucionário dos génios políticos tem de se adpatar ao que quer destruir para o poder destruir. Tem de mergulhar na vida que quer substituir para poder agir sobre ela.

Não assim na esfera da inteligência e da emoção intelectualizada - na da filosofia e na da arte, digo. Sobre ser original, o artista, o pensador é um inadaptado às formas normais da vida, por isso que nem age no sentido da actividade normal (porque é original), nem age no que age, age vulgarmente (porque, em lugar de ter uma acção vulgar, orienta a sua vida sobretudo para a sensação e para a inteligência e não para a acção, para a vontade, como a maioria dos homens).
Fernando Pessoa, in Correspondência

sábado, junho 25, 2005

A Pretensa amizade (2)

A verdade é que a minha legião de amigas (seleta e curta), após o post da "pretensa amizade", manifestou de forma quase simultânea o desejo de inquirir sobre a tal "excepção que para mim é tão custosa" de suportar, passo a explicar para mitigar a curiosidade das voláteis mentes femininas:

O Homem é por defeito (mas para nós por virtude) poligâmico, por outras palavras, no limite do brejeiro; há muita fruta no concelho! Não se suponham assim tão especiais.

Meta-Drawing

Image hosted by Photobucket.com
Far from being restricted to lines on a sheet of paper, a drawing can take the form of a mural, a sculpture, a book, an installation. It can be made by folding, bending, cutting, sewing, collaging or photographing materials. It can be abstract, figurative, narrative, realistic, fantastical, political or a mix. In the end, the subject at the Drawing Center is always drawing itself: what it has been, what it can be.
NY Tymes

sexta-feira, junho 24, 2005

Mais Um!

Souto de Moura vence prémio FAD com o Estádio de Braga

O arquitecto Eduardo Souto de Moura conquistou terça-feira, com o Estádio Municipal de Braga, o 47° Prémio FAD de Arquitectura 2005, distinção feita desde 1958 ao melhor projecto ibérico pela Associação Interdisciplinar de Desenho do Espaço, da Catalunha.

A esta edição concorreram 453 obras de Portugal e Espanha, em quatro categorias. A de Arquitectura teve 43 seleccionados e 20 finalistas, incluindo o Centro de Artes da Calheta (Madeira), de Paulo David - que, com o Estádio de Braga, foi finalista do último prémio europeu Mies van der Rohe. O galardão para Espaços Exteriores foi para a Esplanada e Placa Fotovoltaica do Fórum de Barcelona, de Martínez Lapefia e Elias Torres. A Sala de Actos do ITEC, em Barcelona, deu a Lluís Clotet e Ignacio Paricio o prémio de Interiores. E Javier Castellano e Rubens Cortes venceram em Espaços Efémeros, com um andaime em Granada.

Recorde-se que Souto de Moura foi já distinguido com o Prémio Secil 2004 por esta obra inovadora, edificada no local de uma antiga pedreira do Monte Crasto. "Não é frequente que um estádio tenha tanta qualidade arquitectónica", referiu ao La Vanguardia fonte do júri, classificando a obra de "espectacular". A arquitectura portuguesa "está em boas mãos e tem uma capacidade de internacionalização muito grande", afirmou à Lusa Helena Roseta, presidente da Ordem dos Arquitectos
Net Press Ordem dos Arquitectos

quinta-feira, junho 23, 2005

He Rested On The Seventh Day

Image hosted by Photobucket.com

A Pretensa Amizade

É custoso e mesmo estoico manter amizades com mulheres belas, compreenda-se a palavra "manter", porque é nesta limitação que reside a infausta tarefa. Isto é um ponto de vista facilmente compreendido por qualquer homem, a amizade com mulheres belas, é a confirmação sine die, que há qualquer coisa subjacente a esta empatia, que vai além da casual conversa de café e dos normais e limitativos beijinhos e abraços.

beijinhos e abraços!
beijinhos e abraços!
beijinhos e abraços!
beijinhos e abraços!

e

+ beijinhos e abraços!
Fiquem lá com isso! Não me pendurem na cruz e muito menos me afoguem a libido!

As minhas melhores amigas (e não tenho muitas, dada a minha coerência com a causa em cima descrita) não são belas, salvo uma exceção, e esta pontual situação já acarreta muita mitigação e sofrimento. O cerne da conclusão é a seguinte; os Homens sabem perfeitamente, as Mulheres fingem não saber.

quarta-feira, junho 22, 2005

maradona

Entre dois PT´S, um cá, outro em Bristol:

N - [barulho estranho]...
Eu - Então caralho?
N - Eh!, Gordo, pá, Fernando, eh pá, apanhei uma bebedeira ontem... já tinhas telefonado?
Eu - Não, então, como é que estás?
N - Está tudo bem, e tu?
Eu - Tudo bem. Mas estás mesmo bem?
N - Estou, foda-se.... mas por quê?Eu - Estava preocupado por causa dessas merdas por aí...
N - Quais merdas?
Eu -Isso da miúda...
N - Qual miúda?Eu - Essa que um português degolou ou lá o que foi... conhecias o gajo?
N - Um português degolou uma miúda...
Eu - Não sabias? E agora os ataques xenófobos....
N - Como é que querias que soubesse, estou em Bristol, caralho, não sei nada do que se passa aí!Eu - Aqui?
N - .... ataques xenófobos... ah! a minha irmã contou-me, o arrastão, não é... mas degolaram uma miúda no arrastão?
Eu - Não, cona da mana, foda-se: ataques xenófobos aí, em Bristol!
N - Aqui?
Eu - Sim, aí!!! Um português matou aí uma miúda inglesa grávida...degolou-a... eram, salvo erro, namorados...
N - Ah, sim, já me lembro... mas isso já foi há umas semanas... lembro-me de qualquer coisa, deu na televisão ou li no jornal...
Eu - ... e depois isso originou os ataques xenófobos à comunidade portuguesa...
N - Onde?
A Causa Foi Modificada

segunda-feira, junho 20, 2005

Frank Lloyd´s Budget Houses

Image hosted by Photobucket.com

Em 1936, enquanto a América se encontrava na depressão económica, Frank Lloyd Wright, desenvolveu uma versão simplificada das suas casas da Pradaria. Desenhadas para controlo de custos, estas casas não possuíam sótão, não tinham embasamento e pouca ou nenhuma ornamentação. O Arquiteto apelidava estas suas criações de Usonian, dizendo que elas expressavam os ideais democráticos dos Estados Unidos da América. Acometer-se a construir estas casas com um orçamento baixo, provou ser de extrema dificuldade para um Arquiteto de gabarito World-Class.

domingo, junho 19, 2005

Ser Pessimista

Hoje ser pessimista é ser português, é ter os pés bem assentes na terra de um país infértil e impróspero, onde os mais espertos se safam, de onde os mais inteligentes fogem e onde os mais importantes se calam.
Carlos Coelho; Diário Económico

sábado, junho 18, 2005

Sex Pistols

The Sex Pistols' Johnny Rotten, producer Chris Thomas and engineer Bill Price are attacked by local thugs with razors in a parking lot of the Pegasus Hotel in northern London. The three were on their way to back to Wessex Studio where the Sex Pistols were recording their epic Never Mind the Bollocks Here's the Sex Pistols.

quarta-feira, junho 15, 2005

Designing The Universe

Image hosted by Photobucket.com

segunda-feira, junho 13, 2005

Sobre Nós

Se o fenómeno dos blogues parece ter vindo para ficar, quer em termos da massificação do seu uso na Internet portuguesa, quer em termos do impacto mediático conseguido nos órgãos de comunicação social tradicionais, o mesmo se pode dizer de uma das suas mais inesperadas consequências a crescente edição em papel de textos pensados para o meio digital. Tudo começou com O Meu Pipi (Oficina do Livro), um blogue de autor anónimo, no limiar da pornografia mas muitíssimo bem escrito, que se transformou num dos maiores best-sellers de 2004. Chegaram depois versões encadernadas de outros blogues de sucesso Fora do Mundo, de Pedro Mexia (Cotovia); Barnabé (Oficina); e, mais recentemente, O Livro da Rititi (Oficina) e Gato Fedorento - o Blog, segundo título da colecção Textos da Blogosfera da Cotovia. Esta vaga de fundo não se esgota, porém, no upgrade literário - chamemos-lhe assim - dos consagrados. Nos últimos meses, têm surgido várias editoras, necessariamente pequenas, cujo objectivo é dar a conhecer ao público das livrarias os talentos nascidos nos meandros menos acessíveis da Internet. Destes projectos, destaca-se o Leiturascom.net, de Paulo Querido (criador da melhor plataforma portuguesa de blogues weblog.com.pt), que já tem três títulos no catálogo: mil e uma pequenas histórias, de Luís Ene; Pagar para Ver, de Ana Roque; e As Ruínas Circulares, de João Pedro da Costa (um blogger nato). Pelos vistos, a tendência deste universo editorial é de expansão. Ainda bem. Toda a diversidade será sempre pouca.
DN

domingo, junho 12, 2005

Junho, um mês de importantes datas na Arquitectura

sábado, junho 11, 2005

Cedric Gracia Backflip

Image hosted by Photobucket.com

sexta-feira, junho 10, 2005

Porque a nossa situação é miserável, convém aderir!

Image hosted by Photobucket.com

quarta-feira, junho 08, 2005

"Rock music seeks release through liberation from the personality and its responsibility"

Em 1985, escreveu assim o futuro papa Bento XVI [*]:C ... [it is] among the anarchic ideas of freedom which today predominate more openly in the West than in the East. But that is precisely why rock music is so completely antithetical to the Christian concept of redemption and freedom, indeed its exact opposite.
Hence music of this type must be excluded from the Church on principle, and not merely for aesthetic reasons, or because of restorative crankiness or historical flexibility.

[*] Discurso ao XVIII Congresso Internacional de Música Eclesiástica, Roma, 17 de Novembro de 1985: "Liturgy in Church Music", in Sacred Music, Vol 112, No 4 (Inverno de 1985).

Retirado do Quase Em Português

Inspired By God

Image hosted by Photobucket.com

segunda-feira, junho 06, 2005

Hero In Bronze

Image hosted by Photobucket.com
As tropas de Saddam Hussein desapareceram, mas o Kuwait está em chamas, os iraquianos incendiaram aproximadamente 900 poços de petróleo. Novos especialistas internacionais estão tentando extinguir o fogo. Sebastião Salgado observa estes homens estóicos, na idade de automatização. (Abril 1991)

Apocalypse in Oil

domingo, junho 05, 2005

Joy Division

Image hosted by Photobucket.com

Na minha sincera opinião, o melhor da charneira 70/80...
Formed in the wake of the punk explosion in England, Joy Division became the first band in the post-punk movement by later emphasizing not anger and energy but mood and expression, pointing ahead to the rise of melancholy alternative music in the '80s. Though the group's raw initial sides fit the bill for any punk band, Joy Division later incorporated synthesizers (taboo in the low-tech world of '70s punk) and more haunting melodies, emphasized by the isolated, tortured lyrics of its lead vocalist, Ian Curtis. While the British punk movement shocked the world during the late '70s, Joy Division's quiet storm of musical restraint and emotive power proved to be just as important to independent music in the 1980s.The band was founded in early 1977, soon after the Sex Pistols had made their first appearance in Manchester. Guitarist Bernard Albrecht (b. Bernard Dicken, January 4, 1956) and bassist Peter Hook (b. February 13, 1956) had met while at the show and later formed a band called the Stiff Kittens; after placing an ad through a Manchester record store, they added vocalist Ian Curtis (b. July 15, 1956) and drummer Steve Brotherdale. Renamed Warsaw (from David Bowie's "Warszawa"), the band made its live debut the following May, supporting the Buzzcocks and Penetration at Manchester's Electric Circus. After the recording of several demos, Brotherdale quit the group in August 1977, prompting the hire of Stephen Morris (b. October 28, 1957). A name change to Joy Division in late 1977 -- necessitated by the punk band Warsaw Pakt -- was inspired by Karol Cetinsky's World War II novel The House of Dolls. (In the book, the term "joy division" was used as slang for concentration camp units wherein female inmates were forced to prostitute themselves for the enjoyment of Nazi soldiers.)
During late 1979, Joy Division's manic live show gained many converts, partly due to rumors of Curtis' ill health. An epilepsy sufferer, he was prone to breakdowns and seizures while on stage -- it soon grew difficult to distinguish the fits from his usual on-stage jerkiness and manic behavior. As the live dates continued and the new decade approached, Curtis grew weaker and more prone to seizures. After a short rest over the Christmas holiday, Joy Division embarked on a European tour during January, though several dates were cancelled because of Curtis. The group began recording its second LP after the tour ended (again with Hannett), and released "Love Will Tear Us Apart" in April. The single was again praised but failed to move beyond the independent charts. After one gig in early May, the members of Joy Division were given two weeks of rest before beginning the group's first U.S. tour. Two days before the scheduled flight, however, Curtis was found dead in his home, the victim of a self-inflicted hanging.Before Curtis' death, the band had agreed that Joy Division would cease to exist if any member left, for any reason. Ironically though, the summer of 1980 proved to be the blooming of the band's commercial status, when a re-release of "Love Will Tear Us Apart" rose to number 13 on the British singles chart. In August, the release of Closer finally united critics' positivity with glowing sales, as the album peaked at number six. Before the end of the summer, Unknown Pleasures was charting as well.
AllMusic

Your Taste in Music





Your Taste in Music:


90's Alternative: High Influence
80's Alternative: Low Influence
90's Hip Hop: Low Influence
Dance: Low Influence
Progressive Rock: Low Influence
Punk: Low Influence



Este é para os senhores do Absolute Ego Dance ...no entanto temo que o espectro de escolha não vá muito abaixo dos anos 80.

sábado, junho 04, 2005

Specialized

Image hosted by Photobucket.com

Criatividade, Duração e Paroxismo

Estudos recentes, designadamente do Sec: XX enfatizam uma questão que para mim era desconhecida, os picos criativos dos figuras proeminentes da Humanidade, foram dramaticamente reduzidos neste último século, é que além de começarem mais tarde, a sua duração também decresceu em comparação com séculos anteriores, fatores como a etapa educativa mais prolongada, atrasam a despontar da criatividade, e note-se que começar mais tarde não é sinónimo de acabar mais tarde.
É caso para dizer, escolarização em massa é "acumular sem fome de conhecimento", por si só não é determinante para fatores capitais como inovação, já que o capital humano produzido pelas universidades tem algo que escapa a escolarização, a criatividade.

We see that the peak ability to produce great achievements in knowledge came around age 30 in 1900 but shifted to nearly age 40 by the end of the century. An interesting aspect of this graph is the suggestion that total lifetime innovation potential has declined. Other things equal, if individuals delay the start of their innovative careers without increasing their productivity at older ages, then their life-cycle output will fall. . . .
Great minds produce their greatest insights at substantially older ages today than they did a century ago. This upward age trend is not due simply to an aging population, but comes from a substantial decline in the innovative output of younger innovators. Meanwhile, there is no compensatory expansion of innovative output at later ages. Innovators are the engines of technological change and, other things equal, the less time an innovator spends successfully innovating, the less her lifetime output. The estimates point to a 30% decline in life-cycle innovation potential over the 20th Century.

sexta-feira, junho 03, 2005

O Artista

A necessidade interior nasce de três causas místicas e está constituída por três necessidades místicas: 1. Todo o artista, como criador tem que expressar o que lhe é próprio (elemento da personalidade). 2. Todo o artista, como filho da sua época tem que expressar o que é próprio dessa época (elemento do estilo, como valor interno, constituído pela linguagem da época mais a linguagem da nação, caso esta exista). 3. Todo o artista como servidor da arte tem que expressar o que é próprio da arte em geral (elemento da pureza e eternidade artística que vive em todos os homens, povos e épocas e se manifesta em obras de arte de cada artista, de cada nação e de cada época e que como elemento principal da arte, não conhece nem o espaço nem o tempo).

Kandinsky

Gamado sem aviso daqui

quinta-feira, junho 02, 2005

gt1 da GT

Image hosted by Photobucket.com

One of the most loved and widely copied chairs in the World!

Image hosted by Photobucket.com

Interessante, as metamorfoses que esta cadeira sofreu até à data, adaptando-se as vicissitudes do mundo num espaço temporal de 50 anos (nasceu em 1955) , foi um das primeiras cadeiras da história a ser construída com madeira laminada, o seu autor, o Arquiteto e Designer Dinamarquês Arne Jacobsen's ditou-lhe o nome Seven.
When Danish architect and designer Arne Jacobsen conceived Seven--one of the first one-piece laminated-wood stacking chairs in the world--he created a minimalist form that was ideal for mass production. Indeed more than five million Seven series chairs have been sold to date, and furniture manufacturer Fritz Hansen, whose international fame owes much to Seven's success, now produces roughly 150,000 of the chairs annually. To commemorate the 50th anniversary of Seven's launch, the company has released several new finishes, colors, and models, extending the iconic chair's use into different areas of the workplace and home.
The original 1955 line boasted a partially upholstered chair, an adjustable-height swivel chair with wheels, and an armchair, which was the first in the series. Architect and author Michael Sheridan, whose book Room 606 examines Jacobsen's oeuvre, explains, "After the success of the Ant [the designer's first single-piece laminated-wood chair for Fritz Hansen], people started asking for armrests. The shape of Seven's shell is based on the need to accommodate steel struts to carry armrests." The armless version, however, remains the most popular. Since its launch the armless Seven has become, what Sheridan calls "the best-selling chair of the modern era--and undoubtedly the most knocked off.